sábado, 3 de maio de 2014

Mentira tem perna curta e não anda sozinha


Recentemente rolou um debate sobre mentir. Eu sou contra mentir, muito contra. Mas quero esclarecer uma coisa: quem diz a verdade não o faz porque é muito bacana e não quer enganar ninguém. Não mente porque não quer correr o risco de ser pego e ter que usar a criatividade para inventar as mil outras mentiras para sustentar aquela primeira. Não mente, também porque sentiria vergonha no caso de ser pego (aí sim, isso seria um traço virtuoso, afinal, vergonha e pó compacto sempre caem bem na cara) e também não mente porque é bizarramente egoísta e, não se importando com o que o sujeito que ouve a verdade vai sentir, visa seu bem-estar da consciência limpa.

Então é isso, não é tocante estar diante de gente que não mente, o que eu quero ver é gente que não faz cagada, aí sim, talvez eu me impressione.

9 comentários:

CPessoa disse...

Luli, cheguei ao teu blog pelo do Foxx e cara... adorei aqui.
Me prendeu com o "Quem sou eu" e as vaquinhas. aushiaushaiush
Voltarei mais vezes, com toda crtz.

Ah, mas nada é perfeito. Não concordo com tudo desse último post... Gosto de acreditar na boa vontade das pessoas.
Isso faz de mim um ingênuo?

M. disse...

Luli, concordo com teu pensamento. Just it.

Beijo grande e Welcome back!

FOXX disse...

super concordo!!!!

N. Ferreira disse...

Achei válidos os motivos que vc listou para falar a verdade.
Mas acho que tem mais um e que esse sim impressiona: dizendo a verdade você dá de presente ao outro o direito de fazer o que bem entender com a realidade que vc apresentou.
É simplesmente ter respeito pelo próximo e ficar em paz com a consciência.
Ética - isso sim, admirável.

Luli disse...

CPessoa,
Valeu a visita e os elogios, eu amo as vacas tb ;) e vc as notou :D
Acreditar não te faz um ingenuo, mas um otimista. E eu, no fundo, queria pensar otimisticamente mais vezes ;)

Nana,
good point: RESPEITO e ÉTICA, mas aí não deveria ser admirável, deveria ser básico, né? Que pena que seja raro ao ponto de festejarmos quando aparece.

N. Ferreira disse...

Amiga, entendo seu ponto de vista, mas há o ideal e há o real.
O ideal seria que o mundo todo, todos os bilhões de seres humanos fossem todos corretos, verdadeiros e éticos. Eles tb não matariam, não roubariam e é claro que falariam sempre a verdade.
Mas o nosso mundo real é duro e cruel e nunca favoreceu os corretos. Desde pequenos somos condicionados a priorizar o que soa bem, e mesmo as pequenas mentirinhas começam a fazer parte do dia-a-dia.
Eu acho sim admirável e nada básico os que falam a verdade por respeitar o outro. Nem sempre é fácil deixar de dourar a pílula. Todo mundo já contou uma mentira e sabe que às vezes é muito mais conveniente... e ainda iremos falhar neste quesito muitas vezes!
Mas se conseguirmos agir corretamente em 51% das vezes já é lindo, válido e motivo pra festejar. Reclamamos tanto das injustiças, e quando algo de belo e justo acontece, dizemos que não é nada mais que a obrigação?
Me soa como um pai severo e super-exigente: acaba com a nossa auto-estima.
Desculpa o coment gigante, mas é que andei às voltas com este tema e estou convicta de que tudo de bom deve ser exaltado, ao invés de só focarmos o que queríamos que tivesse acontecido e não aconteceu.
Te amo, beijos

Luli disse...

agora sim! excelent point: celebrar o bacana, e sempre. Curti!

Luli disse...

te amo tb! e to morreeeeeendo de saudades! Vamos, sem falta, nos ver no finde, rola?

rita italiano disse...

olha, eu prefiro a verdade em sua mais profunda dureza a mentira em sua melhor forma.
acho q qdo não se pode falar a verdade é melhor não falar nada...
claro q eu não sou uma beata e por vezes minto, mas luto contra isso com afinco.